Orientações gerais à comunidade USP quanto aos protocolos sanitários de segurança para o retorno às atividades presenciais

1. O estímulo à vacinação é fundamental em uma Instituição líder em Pesquisa e Ensino. A vacina não é apenas uma proteção individual, mas sim coletiva. Quanto mais pessoas estiverem vacinadas melhor será o processo para interromper o ciclo de transmissão do vírus. Nesse sentido, a fim de se resguardar a saúde da comunidade USP, somente terá acesso à Instituição o membro que estiver vacinado;

2. O site retornoseguro.usp.br contém vídeos e folders explicativos e o acesso deve ser estimulado a toda a comunidade. Ali estão incluídas informações sobre a importância da vacinação, da higienização das mãos e do uso correto de máscaras, que inclui a cobertura da boca e do nariz;

3. As condições de trabalho devem respeitar todos os critérios preconizados, como uso de máscaras, higienização das mãos, bem como o distanciamento social mínimo de 1 (um) metro entre as pessoas; as recomendações sanitárias dispostas nos informes do GTPRAA devem servir como balizadores para os cuidados básicos;

4. A presença de sintomas respiratórios suspeitos de COVID-19 (calafrios, dor de garganta, falta de ar, tosse, febre alta, coriza, nariz congestionado, perda de olfato, perda de paladar) deve ser comunicada ao superior imediato ou professor, no caso de alunos, e devem ser orientados o isolamento e a procura por atendimento e testagem. Uma vez não confirmada a COVID-19 o retorno deve ocorrer conforme a situação clínica;

5. Se a COVID-19 for confirmada, a pessoa deve permanecer afastada da Universidade e isolada em casa por 14 dias. As pessoas com quem ela teve contato devem ser comunicadas e condutas devem ser tomadas conforme o grau de risco da exposição ao contato;

6. Importante enfatizar a toda a comunidade que o comportamento social fora da Universidade deve respeitar os protocolos de segurança, evitando-se festas e aglomerações. Recomenda-se, ainda, a manutenção de convivência somente com grupos restritos;

7. Dúvidas pontuais relacionadas à volta presencial devem ser discutidas com as chefias imediatas e mediatas, no caso de docentes e servidores técnico-administrativos; e com Professores e supervisores, no caso de alunos, pesquisadores colaboradores, pós-doutorandos e estagiários. Caso não sejam solucionadas, devem ser tratadas com o Dirigente, a fim de proporcionar a melhor condição possível de trabalho e de exercício das atividades acadêmicas.